STF decide que amante não tem direito à pensão por morte

Sumário

Discussão sobre pensão por morte possui desfecho no STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que amantes não têm direito à parte de
pensão por morte. Para ministros, a existência de uma união estável impede o
reconhecimento de uma outra relação paralela.

O assunto, que dividia a jurisprudência, foi julgado com repercussão geral no plenário
virtual e servirá de orientação para os demais tribunais do país. A decisão foi por seis
votos a cinco.

O relator, ministro Alexandre de Moraes, fez questão de destacar que a
discussão não versa sobre a orientação sexual, mas acerca do reconhecimento
concomitante de duas uniões estáveis. O ministro citou princípio
constitucional que iguala união estável ao casamento, sendo impossível o
reconhecimento jurídico concomitante destas relações. Para ele, isso
caracteriza bigamia, vedado no país. 

O tema já havia sido abordado pelo Supremo Tribunal Federal. No ano de 2008,
a 1ª Turma decidiu, por maioria, que não poderia haver a divisão da pensão
entre amante e cônjuge. Com base no precedente, o relator da nova ação,
ministro Alexandre de Moraes, negou o pedido. Segundo Moraes, o STF já
julgou o tema e vedou o reconhecimento de uma segunda união estável –
independentemente de ser hétero ou homoafetiva – quando demonstrada a
existência de uma primeira união estável juridicamente reconhecida.

No voto, o relator afirmou que “subsiste em nosso ordenamento jurídico
constitucional os ideais monogâmicos, para o reconhecimento do casamento e
da união estável, sendo, inclusive, previsto como deveres aos cônjuges, com
substrato no regime monogâmico, a exigência de fidelidade recíproca durante o
pacto nupcial”. Por isso, considera que a existência de uma declaração judicial
de existência de união estável é óbice ao reconhecimento de uma outra união
paralelamente estabelecida por um dos companheiros durante o mesmo
período.

Assim, o relator sugeriu a seguinte tese: “A preexistência de casamento ou de
união estável de um dos conviventes, ressalvada a exceção do artigo 1723, §1º do
Código Civil, impede o reconhecimento de novo vínculo referente ao mesmo
período, inclusive para fins previdenciários, em virtude da consagração do dever
de fidelidade e da monogamia pelo ordenamento jurídico-constitucional
brasileiro”.

Compartilhe essas informações com uma pessoa que precisa saber:

Basta clicar no botão aqui embaixo e encaminhar para o Whatsapp desta pessoa.

Compartilhar Artigo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Search
Compartilhar Artigo
Compartilhar Artigo
compartilhar Artigo
Categorias

NÃO SAIA com dúvidas, converse por mensagem com nosso especialista.

Faça como outras pessoas e solicite uma avaliação do seu caso para saber qual caminho tomar.

Dados protegidos

×