Revisão paga pelo INSS pode chegar a atrasados altos mesmo com aumento pequeno na renda mensal do aposentado

Sumário

Revisão paga pelo INSS pode chegar a atrasados altos mesmo com aumento pequeno na renda mensal do aposentado.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) tem determinado que a Justiça Federal libere o recálculo do benefício aos aposentados que ingressaram com pedidos de Revisão da Vida Toda. O que se pode observar é que as decisões tomadas pelo STJ a partir de dezembro de 2019, desconstroem a ideia de que só é vantajoso para o aposentado entrar com uma ação judicial quando o ganho na sua renda mensal for alto.

Podemos ilustrar a desconstrução deste equívoco com o exemplo de dois processos concluídos em fevereiro pelo Tribunal Regional Federal da 3 Região (TRF-3), em que se verificam ganhos na renda mensal de apenas R$ 399 em um caso e R$ 932 em outro, resultando um avanço salarial no benefício dos segurados na ordem de 12% e 27%, respectivamente. Ou seja, um aumento de R$ 3.393 para R$ 3.792 no primeiro caso e de R$ 3.482 para R$ 4.414 no segundo.

No entanto, quando calculamos os valores retroativos que deverão ser pagos em atraso, notamos que chegam a R$ 35 mil para o primeiro e R$ 80 mil para o segundo.

Assim, fica demonstrada – mesmo nos casos em que o principal atrativo da revisão não comporte um grande aumento na renda mensal do aposentado – a importância da possibilidade de ingressar com ações de revisão de aposentadorias para a inclusão de todas as contribuições no recálculo do benefício previdenciário.

Entenda o que é a Revisão da Vida Toda

Esta Revisão é a possibilidade que permite ao aposentado refazer o cálculo da aposentadoria já concedida com a inclusão de contribuições realizadas antes de julho de 1994.

Como funciona a Revisão?

Lembre-se, quando da ocasião das mudanças realizadas na Previdência em 1999, o governo criou duas matrizes de cálculos para se atingir a média salarial.

Na primeira delas, para quem já era segurado do INSS até 26 de novembro de 1999, a média salarial passou a ser calculada sobre 80% das maiores contribuições feitas a partir de julho de 1994.

A segunda fórmula de cálculo, destina-se a todos aqueles que passaram a contribuir com o INSS a partir de 27 de novembro de 1999 e atingiram as condições de se aposentar até 12 de novembro de 2019. Neste caso, a média é calculada sobre 80% dos mais altos recolhimentos desde o início das contribuições.

O que acontece aqui é que os beneficiários que ingressaram no sistema antes de 26 de novembro de 1999 pedem para que seja aplicada a eles a mesma regra do grupo que começou a recolher em 27 de novembro daquele ano. Ou seja, pedem a inclusão de todas as suas contribuições no cálculo da aposentadoria, e assim, a revisão do seu PBC (Período Básico de Cálculo) incluindo desse modo os salários recebidos antes da criação do real no cálculo da aposentadoria.

Existe um prazo para o aposentado solicitar a Revisão?

Sim. Em regra,  o prazo para o aposentado pedir a Revisão da Vida Toda é de apenas dez anos após a concessão. A contagem desses dez anos começa na data do saque do primeiro pagamento feito pelo INSS. Entretanto, é importante esclarecer que a revisão da vida toda é apenas mais uma modalidade de revisão. Caso o aposentado esteja com o beneficio defasado, poderá solicitar uma checagem completa do histórico do beneficio realizada por um advogado especializado pois poderá se enquadrar em outra modalidade e obter uma majoração no valor do beneficio. Dentre isso destaca-se:

  • A revisão da aposentadoria por invalidez de servidor público, é concedia aos servidores que se aposentaram entre 2003 e 2012.
  • Revisao para inclusão de tempo no exterior
  • Revisao por erro de cálculo
  • Revisao do artigo 29 (Os benefícios por incapacidade (auxílio-doença comum ou acidentário) concedidos entre os anos de 1999 e 2009 foram calculados de forma errada, violando a regra de cálculo estabelecida pelo artigo 29 da lei de Previdência).
  • Revisao do Teto
  • Revisao em caso de não reconhecimento de tempo em ação trabalhista
  • Revisao para exclusão do fato previdenciário
  • Revisao da pensão por morte
  • Revisao buraco verde (O “Buraco Verde” ocorreu entre 5 de abril de 1991 e 31 de dezembro de 1993. Período onde os benefícios foram concedidos em valores menores do que os realmente devidos. Pois o INSS utilizou uma metodologia errada para o cálculo – o que confere o direito à revisão desses benefícios. Essa revisão resulta da aplicação do artigo 26 da Lei 8870/1994);
  • Revisao buraco negro (O período de 5 de outubro de 1988 a 5 de abril de 1991, intervalo de tempo compreendido entre a assinatura da Constituição Federal de 1988 e a criação da Lei 8.123 de 1991, que rege a Previdência Social, é chamado de “buraco negro”. Os benefícios aprovados nessa época caíram em uma espécie de limbo na legislação previdenciária);

Como solicitar a revisão da vida toda?

A Revisão da Vida Toda só é reconhecida judicialmente, o primeiro passo é contactar um advogado especializado em Direito Previdenciário para realização de cálculos e viabilidade de ação judicial de revisão do beneficio.

Importante: os aposentados que conseguirem judicialmente a Revisão receberão atrasados de até cinco anos antes do pedido de recálculo.

Ficou alguma dúvida?

Em caso de dúvida, entre em contato com um de nossos especialistas para maiores esclarecimentos.

Compartilhe essas informações com uma pessoa que precisa saber:

Basta clicar no botão aqui embaixo e encaminhar para o Whatsapp desta pessoa.

Compartilhar Artigo

3 respostas

  1. Eu quero que faça uma revisão de cálculo e defasados de salário da minha aposentadoria do INSS.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Search
Compartilhar Artigo
Compartilhar Artigo
compartilhar Artigo
Categorias

NÃO SAIA com dúvidas, converse por mensagem com nosso especialista.

Faça como outras pessoas e solicite uma avaliação do seu caso para saber qual caminho tomar.

Dados protegidos

×