Aposentadoria do Policial Federal

Sumário

A aposentadoria do Policial Federal tem algumas vantagens em comparação com a aposentadoria comum. Isto acontece pelo risco que esses profissionais passam durante o trabalho.

No entanto, com a Reforma da Previdência, houve algumas modificações importantes nos requisitos e na forma de cálculo do benefício.

Para esclarecer as suas dúvidas sobre a aposentadoria do Policial Federal, elaboramos este artigo. Boa leitura!

Qual é a Lei da aposentadoria do Policial Federal?

A aposentadoria da Polícia Federal é um benefício diferenciado em relação aos demais servidores e foi tratada na Lei Complementar nº 51/1985. Esta Lei previa os requisitos para que o policial pudesse se aposentar. Vejamos o que diz a Lei:

Art. 1º O servidor público policial será aposentado:

(…)

II – voluntariamente, com proventos integrais, independentemente da idade: (Redação dada pela Lei Complementar n° 144, de 2014)

  1. a) após 30 (trinta) anos de contribuição, desde que conte, pelo menos, 20 (vinte) anos de exercício em cargo de natureza estritamente policial, se homem; (Incluído pela Lei Complementar n° 144, de 2014);
  2. b) após 25 (vinte e cinco) anos de contribuição, desde que conte, pelo menos, 15 (quinze) anos de exercício em cargo de natureza estritamente policial, se mulher. (Incluído pela Lei Complementar n° 144, de 2014).

Ou seja, os requisitos eram:

  • Homens: 30 anos de contribuição e 20 anos de exercício em cargo de natureza policial;
  • Mulheres: 25 anos de contribuição e 15 anos de exercício em cargo de natureza policial.

A lei ainda previa que o valor da aposentadoria policial federal seria integral ao último contracheque e sem idade mínima. Ou seja, o valor da aposentadoria do policial federal se daria com proventos integrais e independentemente da idade.

IMPORTANTE: Isso valia também para os agentes penitenciários e agentes socioeducadores.

Qual o impacto da Reforma da Previdência na aposentadoria do Policial Federal?

A validade das regras tratada na Lei Complementar nº 51/1985 esteve vigente até novembro de 2019. Isto porque a Reforma da Previdência também impactou na aposentadoria dos policiais.

Isto significa que os policiais que não cumpriram os requisitos de aposentadoria da Lei Complementar até 12/11/2019, entrarão na regra de transição ou na regra nova estabelecida pela Reforma.

O art. 10 §2º inciso I da EC 103/19, aplica-se para o servidor que ingressar no serviço público após a data da entrada da vigência da EC. Senão vejamos:

Art. 10. Até que entre em vigor lei federal que discipline os benefícios do regime próprio de previdência social dos servidores da União, aplica-se o disposto neste artigo.

  • 2º Os servidores públicos federais com direito a idade mínima ou tempo de contribuição distintos da regra geral para concessão de aposentadoria na forma dos §§ 4º-B, 4º-C e 5º do art. 40 da Constituição Federal poderão aposentar-se, observados os seguintes requisitos:

I – o policial civil do órgão a que se refere o inciso XIV do caput do art. 21 da Constituição Federal, o policial dos órgãos a que se referem o inciso IV do caput do art. 51, o inciso XIII do caput do art. 52 e os incisos I a III do caput do art. 144 da Constituição Federal e o ocupante de cargo de agente federal penitenciário ou socioeducativo, aos 55 (cinquenta e cinco) anos de idade, com 30 (trinta) anos de contribuição e 25 (vinte e cinco) anos de efetivo exercício em cargo dessas carreiras, para ambos os sexos;

Assim para o servidor que ingressou no serviço a partir de 13.11.2019, para ter direito à aposentadoria especial tem que cumprir a idade mínima de 55 anos, bem como 30 anos de contribuição e 25 anos de efetivo exercício em cargo das carreiras. Tais requisitos é aplicável para ambos os sexos.

Para quem valem as novas regras trazidas pela Reforma da previdência?

As regras valem para ambos os sexos e para as seguintes profissões da área da segurança pública:

  • Policial Civil, militar, bombeiro militar do Distrito Federal;
  • Polícia Legislativa Federal do Congresso Nacional;
  • Polícia Federal;
  • Polícia Rodoviária Federal;
  • Polícia Ferroviária Federal.

ATENÇÃO: Para os policiais civis e agentes estaduais ou municipais, valem as regras dos governos estaduais e municipais de cada localidade.

O que mudou na aposentadoria do Policial Federal com a Reforma da Previdência?

Com as novas previsões feitas pela Reforma da Previdência, algumas exigências foram incluídas.

A começar pela idade mínima. A partir de 12/11/2019, para poder se aposentar o policial federal deverá ter uma idade mínima para ter direito ao benefício. Essa idade irá variar de acordo com algumas situações. Assim, a depender da data de ingresso no serviço, teremos três formas de aposentadoria especial para o Policial Federal.

Ingresso após 12/11/2019

Para os Policiais Federais que ingressaram no serviço público após 12/11/2019, a idade mínima é de 55 anos de idade.

Além disso, deverá contar com 30 anos de contribuição e 25 anos de efetivo exercício em cargo dessas carreiras. Ou seja, os requisitos passaram a ser:

  • Idade mínima de 55 anos de idade;
  • 30 anos de contribuição; e
  • 25 anos de efetivo exercício em cargo policial.

ATENÇÃO: Esses requisitos valem para ambos os sexos.

Ingresso antes de 12/11/2019

Agora, para quem já estava no serviço público quando a Reforma da Previdência entrou em vigor, é possível se aposentar de acordo com a previsão da LC 51/1985.

  • Homens: 30 anos de contribuição e 20 anos de exercício em cargo de natureza policial;
  • Mulheres: 25 anos de contribuição e 15 anos de exercício em cargo de natureza policial.

Contudo, deverá cumprir também o requisito da idade mínima de 55 anos. Essa idade é válida tanto para homens, quanto para mulheres.

Assim, o caput do art. 5 da EC 103/19, dispõe que para o servidor que ingressou no serviço público antes de 13.11.2019 é possível postular a aposentadoria nos termos da LC 51/85, contudo deve cumprir a idade mínima de 55 anos fixada pela EC 103/19. A idade mínima é aplicável para ambos os sexos.

O §3º traz uma outra possibilidade a ser aplicada para os policiais federais que ingressaram no serviço público antes da EC 103/19. Segundo o referido parágrafo o servidor poderá aposentar quando completar 52 (cinquenta e dois) anos de idade se mulher, e 53 (cinquenta e três) anos se homem. Contudo deve cumprir um “pedágio” de tempo de contribuição, ou seja, desde que cumprido um período adicional de contribuição correspondente ao tempo que, em 13.11.2019 faltaria para completar o tempo de contribuição exigido pela LC 51/85.

Qual a regra de transição para a aposentadoria do Policial Federal?

Há ainda uma outra possibilidade de aposentadoria para quem ingressou no serviço público antes da Reforma. Essa regra diminui um pouco a idade, mas o policial deverá pagar um “pedágio” de tempo de contribuição.

Assim, a regra de transição é ideal para aqueles policiais que ingressaram no serviço público antes da Reforma, mas não completaram os requisitos da Lei Complementar.

A regra diz que poderão aposentar-se aos 52 anos, se mulher, e aos 53 anos, se homem, desde que cumprido um período adicional de contribuição correspondente ao tempo que, na data da implantação da reforma, faltaria para atingir o tempo de contribuição previsto na LC 51/1985.

Ou seja, a regra diminuiu a idade mínima, porém o policial deverá pagar um “pedágio” de tempo de contribuição.

Em resumo, trata-se de uma regra de transição que exige um pedágio de 100% do tempo de contribuição faltante.

Qual a regra definitiva na aposentadoria do Policial Federal trazida pela Reforma da Previdência?

Com a Reforma da Previdência, para a concessão da aposentadoria do policial federal, é preciso ter:

  • Idade mínima de 55 anos de idade;
  • 30 anos de contribuição; e
  • 25 anos de efetivo exercício em cargo policial.

O que acontece com quem cumpriu os requisitos antigos, mas pediu a aposentadoria depois da Reforma?

Os policiais que cumpriram os requisitos antigos até a data da Reforma – novembro de 2019 – e ainda não pediram o benefício, não precisam se preocupar. Neste caso, esses policiais, podem se aposentar pela Lei Complementar, pois possuem direito adquirido.

O que é direito adquirido?

O direito adquirido é uma garantia que o trabalhador tem de não perder direitos pela demora em pedir o benefício. Ou seja, quem completou os critérios para a concessão da aposentadoria antes da vigência da Reforma, ainda hoje pode solicitar seu benefício usando as regras antigas.

Assim, mesmo que o segurado venha realizar o requerimento de aposentadoria somente agora, poderá ter concedida a aposentadoria especial pelas regras anteriores desde que comprove o seu direito.

Isso é muito vantajoso também para o cálculo do valor do benefício, que era melhor antes da reforma.

Qual a vantagem garantida pelo direito adquirido?

Uma das principais vantagens em se utilizar do direito adquirido em matéria previdenciária é garantir a forma de cálculo anterior às mudanças legislativas. Isto é preferível porque, com a Reforma, o cálculo das aposentadorias costuma ser menos vantajoso que a antiga forma de cálculo.

Ou seja, se o segurado preencheu os requisitos para a concessão de um benefício pré-Reforma, também terá direito à aplicação da forma de cálculo anterior.

Com isso, fica garantido aos segurados que já haviam cumprido os requisitos para a concessão do benefício antes da mudança legislativa, o cálculo do benefício na forma das leis anteriores.

As regras antigas são muito mais benéficas, uma vez que os requisitos são mais fáceis de serem cumpridos, além de que o cálculo do valor da aposentadoria é muito melhor em relação ao que a Reforma estabeleceu.

Desse modo, fique atento e veja se você não se encaixa nos requisitos de benefício antigo.

Com quantos anos um Policial Federal se aposenta?

Atualmente, o Policial Federal irá se aposentar com 55 anos de idade mínima.

Quem possui direito adquirido, se aposenta independentemente da idade.

Já aquele policial que estava próximo de se aposentar após a Reforma, entra na regra de transição. A regra de transição exige

  • Idade mínima de 52 anos, se mulher; e
  • Idade mínima de 53 anos, se homem.

Qual o valor da aposentadoria da Polícia Federal?

O valor da aposentadoria da Polícia Federal também irá depender se o profissional ingressou antes ou depois da Reforma da Previdência.

Servidores que ingressaram antes da Reforma da Previdência

Para quem ingressou antes da Reforma, o valor da aposentadoria será igual ao último vencimento antes de entrar na inatividade. Além disso, o valor da aposentadoria do Policial Federal será reajustado da mesma forma que os policiais da ativa.

Isto significa que, neste caso, o policial terá direito a integralidade (totalidade da sua última remuneração), bem como reajuste nos mesmos moldes dos policiais que está na ativa (paridade).

Servidores que ingressaram depois da Reforma da Previdência

Para quem ingressou depois da reforma, o valor mudou consideravelmente. Agora ele segue o cálculo que tem como base a média aritmética de todas as contribuições – atualizadas monetariamente – realizadas pelo policial desde julho de 1994 ou desde o início da contribuição.

Dessa média, o policial terá direito a receber 60% do resultado mais 2% sobre cada ano superior a 20 anos de contribuição.

Ou seja:

  • Primeiramente calcula-se a média aritmética simples utilizando-se 100% (cem por cento) do período contributivo desde a competência de 07.1994 ou desde o início da contribuição se posterior a competência de julho de 1994;
  • Com a média aritmética simples calculada, o valor da aposentadoria inicialmente corresponderá a 60% (sessenta por cento) dessa média;
  • Se o servidor contar com mais de 20 anos de contribuição, será acrescido 2% para cada ano de contribuição que exceder o tempo de 20 anos de contribuição.

Desse modo, para receber 100% da média, o policial deverá contar com 40 anos de contribuição. Além disso, a média aritmética é limitada pelo teto do INSS que em 2022 é de R$ 7.087,22.

Como calcular o valor da aposentadoria do Policial Federal?

Lembre-se, os policiais que possuem direito adquirido não precisam de cálculo. Eles se aposentam com o valor do último vencimento antes de entrar na inatividade.

Já para os policiais que cumprirem os requisitos para a aposentadoria após a Reforma da Previdência, o cálculo será o seguinte:

  • Média aritmética de todas as contribuições, a partir de julho de 1994;
  • Será aplicado um percentual de 60% sobre a média aritmética; e
  • Soma-se 2% de cada ano trabalhado após 20 anos de tempo de contribuição.

Como ficou a aposentadoria da mulher policial após a Reforma da Previdência?

Antes da Reforma da Previdência, a aposentadoria da mulher policial tinha requisitos diferentes. Ao invés de 30 anos de contribuição e 20 anos de exercício em cargo de natureza policial, as mulheres deveriam cumprir 25 anos de contribuição e 15 anos de exercício em cargo de natureza policial.

Atualmente, não há mais regras diferentes, os requisitos são para ambos os sexos. Ou seja, a mulher policial para se aposentar deve ter idade mínima de 55 anos; 30 anos de contribuição; e 25 anos de efetivo exercício em cargo policial.

Como funciona a aposentadoria do Policial Rodoviário federal?

O policial rodoviário federal se enquadra na aposentadoria especial da Polícia Federal. Para aqueles que estão ingressando agora na profissão, devem ter 55 anos de idade; 30 anos de contribuição; e 25 anos trabalhando como policial.

Para aqueles que já trabalhavam antes da Reforma e já tinha direito à aposentadoria, seguem as regras da Lei Complementar.

Quando a aposentadoria de um agente da Polícia Federal é integral?

A aposentadoria de um agente da Polícia Federal será integral conforme último salário se o trabalhador cumpriu com os requisitos da Lei Complementar antes da implementação da Reforma da Previdência.

Caso o contrário, deverá aplicar o cálculo com base na média aritmética de todos os salários desde 1994 ou desde que iniciou as contribuições. Dessa média, ele irá receber 60% mais 2% dos anos que ultrapassarem 20 anos de contribuição.

Para maiores informações, esclarecimento de dúvidas ou consulta para entrada de pedido, clique aqui e fale conosco  

Compartilhe essas informações com uma pessoa que precisa saber:

Basta clicar no botão aqui embaixo e encaminhar para o Whatsapp desta pessoa.

Compartilhar Artigo

13 respostas

  1. Meu caso. Ingressei na PRF em dezembro de 2005. Antes da PRF já trazia 8 anos de exército. Como fica minha situação de aposentadoria? Tenho 46 anos, sexo masculino

    1. Olá, agradecemos o seu contato. Para emitirmos parecer diante de seu questionamento, será necessário analisarmos o seu caso de modo completo, a partir do histórico laboral-contributivo. A esfera previdenciária é completamente digital. A análise pode ser realizada em qualquer localidade, de forma remota. Ficamos à disposição para maiores esclarecimentos. Atenciosamente

    2. Olá agradecemos o seu contato, informamos que você poderá contar com o tempo trabalhado no Exército anteriormente para somar ao seu tempo de contribuição. Para requerer sua aposentadoria, é necessário contar com 30 anos de contribuição, desde que 20 anos tenha sido exercido em cargo de natureza policial. Ficamos à disposição para maiores esclarecimentos. Atenciosamente, equipe Jácome Advocacia.

  2. No caso de um policial civil, que ingressou na carreira estadual em 1999, portanto com 23 anos de serviço e através de concurso passou para polícia federal, em 2022, ja com 53 anos de idade e 23 anos de contribuição como policial civil, como fica a aposentadoria com essa migração de policia estadual para federal, principalmente em relação ao salário?

    1. Olá, agradecemos o seu contato. Informamos que para cumprir com os requisitos de aposentadoria, o policial federal necessita comprovar, cumulativamente, o mínimo de 53 anos de idade e 30 anos de tempo de contribuição. Dos 30 anos de contribuição, 25 devem ser de efetivo exercício em cargo policial. Quanto ao valor da aposentadoria, o cálculo considerará a média aritmética de todas as contribuições realizadas a partir de julho de 1994, com aplicação do percentual de 60% sobre a média aritmética e adicional de 2% de cada ano trabalhado após 20 anos de tempo de contribuição. Nesse caso, recomendamos que seja realizado um Planejamento Previdenciário, para verificar o cumprimento de requisitos em cada uma das aposentadorias, valores e data aproximadas. Ficamos à disposição para maiores esclarecimentos. Atenciosamente, equipe Jácome Advocacia.

  3. Bom dia!

    Se quem ingressa agora já for servidor da polícia militar estadual há 15 anos (meu caso), ele entra nas novas regras ou na regra antiga em relação a tempo de serviço e valor da aposentadoria (integral ou teto do INSS)

    1. Olá, agradecemos o seu contato. Informamos que sendo membro das forças armadas há quinze anos, aplica-se à você as regras de aposentadoria vigentes no momento de cumprimento dos requisitos. Atualmente, vigoram as regras anteriores à Reforma de 2019 nos casos de direito adquirido, e caso contrário, as regras de transição. Embora a Reforma ocorrida em 2019 tenha trazido pontos negativos, podemos falar que a Reforma não prejudicou alguns direitos dos militares. Precisamos analisar o seu caso. Ficamos à disposição para maiores esclarecimentos. Atenciosamente, equipe Jácome Advocacia.

  4. Boa noite.

    Faço 30 anos de trabalho policial em março de 2024,tenho 52 anos.
    Como fica minha aposentadoria?
    Obrigado?

    1. Agradecemos o seu contato.

      Para que possamos lhe orientar na melhor condução, será necessário analisarmos o caso. A análise pode ser feita de modo digital pelo fato da Previdência ser totalmente digitalizada.

      Ficamos à disposição. Atenciosamente

  5. Bom dia tenho 43 anos de idade e 20 de policial militar Estadual, caso eu ingresse hoje na PRF qual será a regra aplicada para aposentadoria ?

    1. Olá, agradecemos o seu contato. Gostaríamos de informar que os Policiais Federais interessados em se aposentar devem estar cientes dos requisitos pré e pós-Reforma Previdenciária, conforme estabelecido pela Emenda Constitucional nº 103/2019. Considerando que o senhor já exercia atividade policial antes de ingressar na PRF, é possível que obtenha a aposentadoria por meio das regras de transição, as quais possuem uma idade mínima reduzida. Além disso, em relação ao valor do benefício, será considerada a data de ingresso do senhor no serviço público. Contudo, para emitirmos parecer preciso, será necessário analisarmos. Ficamos à disposição para maiores esclarecimentos. Atenciosamente, equipe Jácome Advocacia.

  6. Em um momento do texto diz que o policial federal que INGRESSOU NO SERVIÇO PÚBLICO antes da reforma de 2019 se aposenta com paridade e integralidade; depois diz que isso só se aplica a quem PREENCHEU OS REQUISITOS antes da reforma. Qual está certo?

    1. Olá, Ricardo.

      Agradecemos o seu contato.

      O direito adquirido só é aplicável a quem cumpriu os requisitos antes da reforma e só poderá ter cumprido os requisitos antes da reforma quem ingressou antes. Ao salientarmos que é necessário ter ingressado no serviço público ANTES da reforma para estar enquadrado no direito adquirido, estamos na verdade excluindo a hipótese de paridade e integralidade para os servidores que ingressaram no serviço público após a vigência da reforma.

      Ou seja, quem ingressou APÓS a reforma, não poderá utilizar a regra de transição. A regra de transição só é aplicável a quem ingressou antes da reforma mas ainda não cumpriu os requisitos necessários.

      Neste caso, o servidor que ingressou antes da reforma, mas completou os requisitos depois da reforma, entrará na regra de transição. Lembre-se, na regra de transição não existe direito à integralidade e à paridade. Contudo, a sua aposentadoria não terá nenhum tipo de redutor. Ficamos à disposição para análise do seu caso de modo concreto. Atenciosamente

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Search
Compartilhar Artigo
Compartilhar Artigo
compartilhar Artigo
Categorias

NÃO SAIA com dúvidas, converse por mensagem com nosso especialista.

Faça como outras pessoas e solicite uma avaliação do seu caso para saber qual caminho tomar.

Dados protegidos

×